O frete para lojas virtuais sempre foi uma questão importante — e delicada — para o crescimento do comércio eletrônico no país.

A razão para isso é bem simples, qualquer pessoa que já comprou pela internet sabe. Afinal, se o frete for muito caro, o que acontece? A gente desiste de comprar.

E o preço da entrega é apenas a ponta do iceberg! 

É claro que os custos representam um papel importante na decisão de compra, mas fatores como prazo da entrega e rastreamento também não podem ser deixados de lado.

Para a sorte de quem vende online (e de quem compra!), várias tecnologias e serviços surgiram com o objetivo de simplificar o frete para lojas virtuais. Continue lendo para saber mais.

1 – Smart lockers: resolvendo a last mile do frete para lojas virtuais

A last mile (última milha) é a etapa mais cara do frete. Afinal, é nessa fase

que os problemas têm mais chance de acontecer.

Destinatários ausentes, trânsito intenso, regiões de difícil acesso: tudo isso contribui para encarecer o valor final do frete. 

Os smart lockers — literalmente “armários inteligentes” — foram criados para resolver tudo isso. 

Funciona mais ou menos assim:

  • Os smart lockers são instalados em lugares estratégicos e com grande fluxo de pessoas (estações de metrô, supermercados, shoppings)
  • Na hora de comprar, o cliente opta por receber o pedido no smart locker
  • Em vez de entregar no endereço do comprador, a transportadora deixa o produto no locker
  • O cliente recebe um código, vai até o locker e retira o pedido 

O que os smart lockers fazem, basicamente, é deixar a última milha do frete por conta do cliente. 

Para o consumidor, ter esse poder de escolha é muito interessante. Embora alguns achem pouco prático precisar buscar a encomenda, para outros essa é definitivamente a melhor forma de comprar pela internet.

Afinal, os smart lockers podem ser excelentes para quem mora sozinho e trabalha fora o dia inteiro ou vive em regiões não atendidas por transportadoras — uma parcela significativa dos consumidores.

Além de simplificar o frete para lojas virtuais e clientes, essa tecnologia tem um papel social importante. 

Segundo André Duarte, professor e pesquisador do Insper, 22% da população das grandes cidades vivem em áreas consideradas de risco (nem sempre atendidas por transportadoras). 

Só no município do Rio de Janeiro, com seus 6,3 milhões de habitantes, estima-se que cerca de 47% das pessoas tenham algum tipo de restrição a entregas. 

Como se não bastasse tudo isso, os smart lockers também podem baratear a logística reversa das encomendas. Em casos de devoluções e trocas, o cliente pode deixar a mercadoria no armário e a transportadora coleta depois. Bem prático, não acha?

Lockers da Amazon são bastante populares nos Estados Unidos. Imagem: Amazon (reprodução).

2 – Pick up points: compre online, retire em um ponto físico

A ideia de comprar pela internet e retirar em um ponto físico não é nova aqui no Brasil. Desde que surgiram, os pick up points (pontos de retirada) caíram no gosto dos consumidores rapidamente.

Não é por acaso que grandes redes como Magazine Luiza, Casas Bahia, Renner, C&A e muitas outras já trabalham com pontos de retirada.

Imagem: Magazine Luiza (reprodução)

Só que essas empresas são enormes e contam com centenas de lojas físicas espalhadas pelo país! Por um tempo, parecia que essa estratégia seria uma exclusividade das grandes marcas, mas esse cenário está começando a mudar.

Soluções pensadas para os pequenos e médios vendedores já estão sendo oferecidas pelo mercado. Aos poucos, transportadoras atentas a essa necessidade e empresas de tecnologia estão tornando os pick up points acessíveis a mais empreendedores.

 

3 empresas que tornam os pontos de retirada possíveis

 

 

  • Correios

 

Os Correios criaram o Clique e Retire, uma modalidade na qual é possível usar como pick up point um dos mais de 6,7 mil pontos de atendimento da estatal.

 

  • Jadlog 

 

O serviço de Pickup da Jadlog funciona de maneira similar. A transportadora firmou parcerias com mais de 2 mil estabelecimentos, que agora funcionam como pontos de retirada de encomendas.

 

  • Pegaki 

 

A Pegaki é uma startup de tecnologia especializada em pontos de retirada. Além de permitir que estabelecimentos se cadastrem como pick up points, a empresa oferece sua rede de pontos de retirada para vendedores do e-commerce. 

Assim como os smart lockers, os pick up points ainda estão em fase de implementação aqui no Brasil. 

Mas, se pararmos para analisar o sucesso desses modelos em países da Europa e nos Estados Unidos, não tem motivo para que eles não “peguem” por aqui também. 

3 – Serviços de fulfillment: terceirizando a logística

Equipes pequenas, pouco espaço para armazenar produtos, dificuldades para preparar os pedidos para o envio: tudo isso faz parte da realidade de muitas lojas virtuais por aí.

Os serviços de fulfillment (do inglês fulfill, que significa completar, cumprir) surgiram para resolver essas situações. 

Em vez de manter o próprio estoque, separar os produtos para o envio e ir até a transportadora postar, o vendedor apenas repassa o pedido para o serviço de fulfillment, que se encarrega de todos os processos logísticos. 

4 vantagens do fulfillment 

  1. Elimina os custos operacionais (segurança, limpeza, manutenção) de manter um estoque próprio 
  2. O lojista tem mais tempo para focar nas vendas, pois não precisa se ocupar de questões logísticas
  3. O crescimento das vendas não vem acompanhado de mais trabalho manual, contribuindo para a escalabilidade do negócio
  4. Permite que lojistas de fora do eixo Sul-Sudeste possam competir com o valor das entregas de empresas localizadas nessas regiões, pois boa parte dos serviços de fulfillment fica localizada no Sudeste (dá para morar em Manaus e ter o estoque da loja em São Paulo, por exemplo)

Apesar dessas vantagens, há quem ainda tenha suspeitas com o fulfillment. Deixar toda a logística de uma loja virtual sob a responsabilidade de outra empresa parece meio arriscado, né?!

Mas o fato é que os serviços de fulfillment estão ganhando espaço. As empresas que atuam no setor usam a tecnologia para otimizar os processos. 

Com a ajuda de softwares de WMS (Warehouse Management System / Sistema de Gerenciamento de Armazém), os serviços de fulfillment conseguem “puxar” os pedidos recebidos em uma loja virtual e encaixá-los no fluxo logístico.

Não só o fulfillment funciona como já temos vários serviços do tipo operando no Brasil: Correios Log+, Pier 8, Direct e B2W Fulfillment são alguns exemplos. 

 

4 – Plataformas de gestão de fretes: tecnologia a serviço dos vendedores

O frete para lojas virtuais tinha uma característica irônica até há alguns anos: ele era totalmente offline. 

O lojista fazia a venda pela internet, mas o resto do processo acontecia praticamente todo fora da rede.

Isso não precisa mais ser assim! As plataformas de gestão de fretes surgiram para preencher essa lacuna tecnológica.

Como o próprio nome indica, elas são ambientes virtuais nos quais o vendedor pode gerenciar todo o frete do negócio: desde a emissão da etiqueta de envio até o rastreamento da encomenda.

 

Uma plataforma de gestão de fretes realmente robusta tem pelo menos 6 características:

 

  1. Calculadora de fretes com função de comparar preços e prazos com várias transportadoras
  2. Integrações com outras plataformas para que o vendedor possa importar os pedidos recebidos e gerar os fretes com poucos cliques
  3. Tecnologia de rastreamento capaz de enviar alertas do status da mercadoria para o cliente final sem que o vendedor precise fazer isso manualmente
  4. Equipe de atendimento preparada para tirar dúvidas e intermediar qualquer problema com os envios
  5. Logística reversa simplificada para lidar com trocas e devoluções 
  6. Aceitação dos meios de pagamento mais utilizados por quem vende pela internet (Mercado Pago, PagSeguro, PayPal, PicPay)

Usar uma plataforma de gestão de fretes ajuda quem vende pela internet a economizar tempo, pois esse tipo de tecnologia faz com que tarefas antes trabalhosas se tornem mais simples.

O exemplo mais claro disso é o cálculo de frete: em vez de procurar cada transportadora individualmente para comparar preços, o vendedor pode fazer isso em um único site. Bem mais prático, né?!

Se você procura uma plataforma de gestão de fretes realmente robusta, vale a pena conhecer o Melhor Envio.

Além de ter todas as 6 características listadas acima, o Melhor Envio oferece fretes a condições exclusivas para quem é cadastrado. Ou seja: além de economizar tempo, dá para economizar dinheiro.

Não é por acaso que mais de 230 mil vendedores usam essa tecnologia em seus negócios. Como o Melhor Envio é gratuito, basta se cadastrar e começar a testar sem compromisso. 

Tomara que a dica seja útil para você!

Calculadora de fretes do Melhor Envio, ferramenta na qual é possível comparar preços e prazos com várias transportadoras simultaneamente (reprodução).

Conclusão

O Brasil ainda tem muito espaço para inovações que melhorem o frete para lojas virtuais — e a logística do país como um todo.

Mas o cenário está se modernizando, isso não dá para negar. 

As empresas estão atentas ao que dá certo em outros mercados, além de estudarem soluções para os problemas específicos da nossa realidade.

Cada nova tecnologia que surge com o objetivo de simplificar a logística contribui para que o frete seja — cada vez mais — um aliado de quem vende pela internet.


 

 

 

 

Este conteúdo foi produzido por Lucas Zanini, produtor de conteúdo do Melhor Envio.