abril 14, 2020

APR de segurança: como é feita e para que serve?

Leonardo Batistão

Como e feita e para que serve a APR de segurança? Análise Preliminar de Risco (APR) é uma ferramenta utilizada pelas empresas que visa reduzir o número de acidentes de trabalho.

Esse tipo de demanda é muito comum nas indústrias e na construção civil, que são áreas em que a realização da APR de segurança é obrigatória, mas qualquer outro negócio que oferece algum tipo de risco deve considerar a ferramenta.

Para você ter uma breve noção antes de nos aprofundarmos, o que acha de dar uma olhada no vídeo que produzimos sobre APR? É rapidinho!

 

Se o vídeo já te ajudou, clique aqui para ver um modelo de checklist de APR!

O que é Análise Preliminar de Risco?

A APR visa identificar e mensurar os riscos que certo ambiente de trabalho apresenta para os colaboradores. 

Deste modo, essa ferramenta funciona como uma medida preventiva, ou seja, prioriza a antecipação dos riscos.

Um exemplo prático: em uma usina siderúrgica, a APR vai identificar todos os riscos que os colaboradores em questão serão expostos (ruídos excessivos, condições térmicas elevadas, campo de locomoção reduzido, má qualidade do ar, entre outros).

E com base nessas informações, serão determinados todos os equipamentos de segurança obrigatórios para todos os colaboradores.

Qual a importância da APR na construção?

Sendo assim, a empresa recorre ao APR para assegurar a segurança de todos os seus colaboradores.

A partir da análise de riscos, serão estabelecidos equipamentos de proteção para garantir a saúde de todas as pessoas envolvidas na atividade de risco.

Neste contexto, é a partir dessa ferramenta, que é possível apontar qual é o Equipamento de Proteção Individual (EPI) ou Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC) mais adequados para cada situação.

Se quiser saber os motivos da APR na construção, você pode ler mais clicando aqui!

Como é feita a APR de segurança?

A APR funciona com base em 3 etapas:

Identificar os riscos operacionais

Essa fase tem como objetivo identificar os agentes causadores de riscos, bem como analisar as suas consequências, para que dessa forma as ações preventivas ou corretivas sejam elaboradas com mais precisão.

Vale ressaltar que a análise só pode ser realizada pelos profissionais da área de segurança do trabalho

Além disso, somente a partir de um laudo técnico que as melhores medidas de segurança são providenciadas, visando a garantia da saúde e conforto dos colaboradores. 

Algumas das ações feitas nessa etapa são:

  • Analisar o histórico dos processos, com o objetivo de referenciá-los na hora de identificar os riscos em questão.
  • Revisar a finalidade de cada tarefa que será executada, para que seja garantido que independentemente da natureza do risco, ele será minimizado.
  • Identificar a origem dos riscos, de modo a catalogar outros possíveis riscos relacionados.
  • Incentivar a participação de toda a equipe de trabalho (principalmente aqueles colaboradores que atuam expostos aos riscos em questão) na hora de definir quais serão as medidas de controle adotadas.

Ordenar os riscos segundo seu potencial

A partir da categorização dos riscos,é possível ordenar os riscos e definir quais medidas preventivas e de controle devem ser realizadas.

Ao identificar os riscos segundo uma ordem de gravidade, são priorizadas as medidas de controle e de prevenção para os riscos potencialmente mais nocivos à saúde dos colaboradores.

Nessa etapa alguns riscos podem ser minimizados com mudanças no processo e outras tarefas essenciais vão necessitar de equipamentos de proteção.

Traçar medidas preventivas, como uso de EPIs e capacitação dos colaboradores

Os riscos que não são minimizados com a mudança de processos, precisam ser evitados com os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e Coletiva (EPC).

Alguns exemplos de equipamentos de proteção mais utilizados são: luvas de proteção, capacetes, protetores auriculares, óculos de proteção e outros itens que podem parecer muito simples, mas vão garantir a proteção de todos os envolvidos.

Outra alternativa, é o treinamento e capacitação dos profissionais, para que sejam instruídos sobre a segurança no trabalho, realização de tarefas de forma responsável e atenção aos riscos à saúde.

Monitore a utilização dos EPIs e EPCs em tempo real

Depois de fazer uma APR e definir todas as medidas de segurança, é importante ter certeza de que todos estão usando os EPIs de maneira correta.

Um checklist é uma das melhores maneiras de garantir que os equipamentos sejam utilizados.

Cada colaborador deve preencher a ficha de utilização de EPI e os gestores podem acompanhar o preenchimento em tempo real, assim garantindo a proteção de todos.

É possível tornar esse processo digital?

Sim! Como temos falado neste conteúdo, a APR é realizada a partir da checagem de itens e seguimento de etapas. Por isso, uma plataforma digital ajuda justamente nesse sentido: criando um formulário digital de APR.

Dessa forma, com o uso de um tablet ou smartphone, a sua equipe pode utilizar o documento em campo, garantindo que todos os itens estão sendo obrigatoriamente seguidos.

Para saber mais sobre como os checklists digitais podem ajudar na construção civil e minimizar os riscos no trabalho, clique aqui!